MAIS::: Cradle to Cradle - Remaking the way we makes things



Imaginemos um mundo onde tudo que fazemos, usamos e consumimos nutre a natureza e a indústria – um mundo onde o crescimento é bom e a atividade humana gera uma pegada ecológica agradável e restauradora.
Embora isso possa parecer heresia para muitos no mundo do desenvolvimento sustentável, as qualidades destrutivas do sistema industrial moderno de berço-a-túmulo podem ser  consideradas como resultado de um problema fundamental de planejamento, e não a conseqüência inevitável do consumo e da atividade econômica.
Efetivamente, o bom planejamento – o planejamento ético, baseado nas leis da natureza – pode transformar o fazer e consumir numa força regeneradora.
Esse novo conceito de planejamento – conhecido como berço-a-berço – vai além da modernização de sistemas industriais para redução dos seus efeitos danosos. Abordagens convencionais à sustentabilidade freqüentemente fazem do uso eficiente de energia e materiais seu objetivo final.
Embora possa ser uma estratégia útil de transição, tende a reduzir os impactos negativos sem transformar a atividade danosa. A reciclagem de carpetes, por exemplo, pode reduzir o consumo, porém, caso o forro contenha PVC, como a maioria dos forros de carpetes, o produto reciclado ainda está numa viagem só de ida para o aterro, onde se transforma em resíduo perigoso.
O planejamento berço-a-berço, por outro lado, oferece um arcabouço onde os ciclos efetivos e regenerativos da natureza proporcionam modelos para projetos humanos totalmente positivos. Dentro dessa estrutura podemos criar economias que purificam o ar, terra e água; que dependem da receita solar e não geram nenhum resíduo tóxico; que utilizam materiais seguros e sadios, reabastecendo o planeta e sendo eternamente reciclados, e que geram benefícios que realçam toda a forma de vida.
Ao longo da última década, a estrutura  berço-a-berço evoluiu constantemente da teoria à prática. No mundo industrial, está se criando um novo conceito de materiais e de fluxos de materiais. Da mesma forma que ocorre no mundo natural, onde o “resíduo” de um organismo circula através de um ecossistema, proporcionando alimento para outras criaturas vivas, os materiais de berço a berço circulam em ciclos de laço fechado, fornecendo nutrientes para a natureza ou
indústria. Esse modelo reconhece dois metabolismos, dentro dos quais os materiais fluem como nutrientes sadios.
Primeiro, os ciclos nutrientes da natureza constituem o metabolismo biológico. Materiais destinados a um fluxo ótimo no metabolismo biológico são nutrientes biológicos. Produtos concebidos com esses nutrientes, como embalagens biodegradáveis, são destinados a serem utilizados e devolvidos com segurança ao meio ambiente, para alimentar sistemas vivos. Segundo, o metabolismo técnico, destinado a refletir os ciclos berço-a-berço do planeta, é um sistema de laço fechado, em que recursos sintéticos e minerais de alta tecnologia, e valiosos – nutrientes técnicos – circulam num ciclo perpétuo de produção, recuperação e refabricação. Idealmente, todos os sistemas humanos que compõem o metabolismo técnico são movidos pela energia renovável do sol.
Nutrientes biológicos e técnicos já estão no mercado. O tecido de estufaria Climatex Lifecycle é uma mistura de lã livre de resíduos de pesticidas e rami cultivado organicamente, tingido e processado inteiramente com produtos químicos não-tóxicos. Todos seus insumos de produto e processo foram definidos e selecionados em função da segurança humana e ecológica, dentro do metabolismo biológico. Resultado: os retalhos do tecido são transformados em feltro e utilizados por clubes de jardim como matéria vegetal para cultivo de frutas e legumes, devolvendo os nutrientes biológicos do tecido ao solo.
Enquanto isso, a Honeywell está lançando uma fibra de carpete de alta qualidade chamada Zeftron Savant, feito da fibra de nylon 6, perpetuamente reciclável. Zeftron Savant foi projetada para ser recuperada e repolimerizada
– retornada a suas resinas constituintes – para transformar-se num novo material para novos carpetes. Na realidade, a Honeywell pode recuperar o velho e convencional nylon 6 e transformá-lo em Zeftron Savant, ou seja, uma
efetiva reciclagem “ascendente”, e não  descendente”, de um material industrial. O nylon é “rematerializado”, e nãodesmaterializado – um produto verdadeiramente berço-a-berço.
Na indústria de carpetes comerciais, sistemas de recuperação de materiais estão proporcionando um modelo para o desenvolvimento de metabolismos técnicos.
A Shaw Industries, por exemplo, desenvolveu uma placa de carpete de nutriente técnico para seus clientes comerciais. A empresa garante que toda fibra de seus carpetes de nylon 6 será recebida de volta e retransformada em fibra de nylon 6 para carpete, e seu forro seguro de poliolefina retornado a forro seguro de poliolefina. Matéria- prima a matéria-prima.
Um ciclo de berço-a-berço. A placa de carpete de nutriente técnico da Shaw é concebida como um produto de serviço, um elemento-chave da estratégia berço-a-berço. Produtos de serviço são bens duráveis, como carpetes e lavadoras, projetados por seu fabricante para serem devolvidos e reutilizados.O produto presta um serviço ao cliente enquanto o fabricante mantém a propriedade dos bens materiais do produto. Ao fim de um determinado período de uso, o fabricante retoma o produto e reutiliza seus materiais em outro produto de alta qualidade.
Amplamente praticado, o conceito de produto de serviço pode mudar o estilo de consumo, à medida que os sistemas humanos movidos a energia renovável reutilizam materiais valiosos, através dos ciclos de vida de muitos produtos.
Em larga escala, esse conceito pode transformar a natureza das economias. Em Chicago, por exemplo, esses princípios são um referencial para os esforços do Prefeito Richard Daley de transformar a cidade na mais verde da América, um pólo de eficiência energética e fluxos benéficos de materiais.
Numa economia berço-a-berço, as cidades são o lar e a fonte principais da nutrição técnica – o local onde metais são forjados, polímeros sintetizados e tratores, computadores e moinhos desenhados e fabricados. As cidades enviam esses materiais para o mundo, recebendo-os de volta à medida que transitam pelos ciclos de laço fechado. Enquanto isso, o campo pode ser considerado o lar do metabolismo biológico.Os materiais lá gerados – alimentos, madeiras, fibras – são criados por meio das interações da energia solar, solo e água e são a fonte da nutrição biológica das comunidades rurais e cidades vizinhas. Um dos papéis fundamentais das cidades nesse metabolismo é devolver a nutrição biológica de forma segura e sadia, digamos, como fertilizante limpo, ao solo rural. Esses fluxos de nutrientes e energia são os metabolismos duplos da cidade viva, a força motriz das economias vibrantes do futuro.
Mesmo nações grandes e influentes como a China adotaram estratégias berço-a-berço. Criado a partir de uma tradição de 4.000 anos de agricultura sustentável, o Vice-Ministro de Ciência e Tecnologia, Deng Nan, anunciou em setembro de 2002 que a China dará início ao desenvolvimento de indústrias e produtos com base em princípios berço-a-berço, através do Centro de Desenvolvimento Sustentável China–Estados Unidos. A China já está desenvolvendo uma vila berço-a-berço como também empreendimentos de energia solar e eólica.
A estratégia berço-a-berço revela nossos projetos como expressões encantadoras de criatividade, como sistemas de sustentação de vida em harmonia com os fluxos de energia, almas humanas e outros seres vivos. Quando isso tornar-se o símbolo das economias produtivas, o próprio consumo terá sido transformado.
Por: William McDonough e Michael Braungart, “The Extravagant Gesture: Nature, Design, and the Transformation of Human Industry”, em Schor and Taylor, op. cit., nota 11, pp. 16-18.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...